Feeds:
Posts
Comentários

Eu estudei na escola de propaganda e marketing mais desejada do Brasil: a ESPM. Nos meus quatro anos de ESPM eu nunca fui apresentado a uma matéria chamada EMPREENDEDORISMO. Eu nunca fui apresentado a nenhum tipo de aula sobre como abrir uma agência de propaganda, uma consultoria de marketing ou qualquer coisa do tipo.

Fora as aulas, as palestras esporádicas que a faculdade oferecia aos alunos eram sempre com alguma figura famosa da propaganda brasileira mostrando o seu rolo de comerciais premiados em Cannes. 9,5 em cada 10 amigos que estudaram comigo queriam trabalhar em grandes empresas e grandes agências. O sonho do ESPMer nos anos 90 era virar estagiário do Julio Ribeiro da Talent, mesmo que fosse para trabalhar de graça.

Eu estudei na ESPM no início dos anos noventa e posso garantir a vocês que nada mudou em 15 anos. Tudo continua igual. A única diferença é que a molecada hoje quer trabalhar na África ou Agência Click.

Eu acredito que as escolas de negócios deveriam ensinar, incentivar, promover e evangelizar o EMPREENDEDORISMO como caminho para os seus alunos serem bem sucedidos na vida.

Mesmo porque a Agência Click tem meia dúzia de vagas de estágio, e a faculdade tem 600 alunos.

Mas o quê exatamente as escolas de negócios deveriam ensinar sobre empreendedorismo?

1. Lidar com as pessoas

No final de uma faculdade de administração de quatro anos, os jovens passam seis meses fazendo um trabalho de conclusão de curso pasteurizado prá daná. A molecada segue o template que o professor recomenda: “fazer um documento completo com visão, missão, valores, metas, números, swot, balanced scorecard, análise competitiva, tecnologia, estratégia, balancete etc”.

A faculdade ensina que o jovem tem que ter um plano bem feito e bem estruturado para a empresa acontecer e depois, basta implementá-lo para a coisa toda acontecer. Ledo engano. A escola esquece de ensinar que existe o componente pessoas nas empresas e que esse recurso pode acabar com o super bem estruturado plano de papel.

SUGESTÃO PARA AS ESCOLINHAS DE BUSINESS: Criar a matéria “Aprender a lidar com seres humanos”, onde a molecada será submetida a exercícios de campo onde terão que aprender a influenciar e engajar pessoas de diferentes formações e posições.

2. Ética

A molecada sai da escola sabendo o que são os 4P’s do marketing, mas em nenhum momento são forçadas a refletir sobre as premissas que devem levar em conta ao escolher fornecedores para um determinado produto, formatar políticas de preços para diferentes tipos de clientes e tratar as pessoas.

A faculdade “ensina” o jovem a desejar crescer na vida, mas não fala nada sobre como crescer fazendo o bem para os outros e para si mesmo. Crescer por crescer é a filosofia da célula do câncer!

SUGESTÃO PARA AS ESCOLINHAS DE BUSINESS: Criar a matéria “Ganha Ganha Ganha”, onde a molecada é obrigada a participar de jogos, simulações e interações sobre a aplicação de diferentes éticas no mundo dos negócios.

3. Ter uma Vida

A grande maioria das pessoas que resolvem se tornar empreendedoras o fazem pensando que poderão levar a vida como bem entender. Infelizmente, 99% vai perceber logo no início que o negócio nunca fecha e que o empreendedor nunca pode realmente abandonar a empresa na mão dos funcionários.

É incrivelmente difícil você levar uma vida balanceada quando você é dono do seu próprio negócio. Realmente difícil. Mas é possível. Eu conheço gente que consegue e por isso acredito que é possível.

Família, filhos, estudos, viagens, saúde, exercício para o corpo, exercício para o espírito são visões da vida que de alguma maneira precisam andar em conjunto com a empresa. É difícil, mas é possível.

SUGESTÃO PARA AS ESCOLINHAS DE BUSINESS: Criar a matéria “Vida Empreendedora” para ensinar os jovens a lidar com as diferentes cobranças que a vida terá sobre quem é empreendedor.

4. Risco

A verdade é que a grande maioria das pessoas entra em uma faculdade na esperança de sair de lá com seguro de vida que lhe garanta emprego, bons salários, mulheres bonitas e status. A grande realidade é que nada é certo, principalmente quando o assunto é empreender.

SUGESTÃO PARA AS ESCOLINHAS DE BUSINESS: Criar uma matéria chamada “Tudo ou Nada” onde a molecada é levada por exercícios que as expõe ao risco de ter tudo ou nada, falar em público, fazer besteira, resiliência e muito mais.

5. Quando investir e quando não investir

Empreendedor é tudo maluco. O cara visualiza uma ideia e sai fazendo as coisas sem qualquer estudo ou preparo.

O Empreendedor é movido pela paixão, o que é bem legal, mas o cara se instrumbica como ninguém. Nem tudo é convergente, nem tudo é compatível, nem tudo é necessário. Não é porque você vende cartucho de impressão que você deve vender impressoras.

SUGESTÃO PARA AS ESCOLINHAS DE BUSINESS: Criar uma matéria chamada “Conquistar 50 territórios ou 3 continentes a sua escolha”, onde o jovem será levado a aprender a como manter territórios enquanto avança mundo afora.

Tô saindo com uma tocha na mão para incendiar as escolas de negócios, quem quer ir comigo?

—————-
nota: este texto é do ótimo Ricardo Jordão Magalhães mas eu assino embaixo de cada palavra, passei pela mesma experiência na mesma ESPM.
texto lido aqui e aqui.

Anúncios

Abaixo, 6 passos para que você consiga efetuar uma ótima negociação:

1. Seja Honesto – Alguns profissionais de vendas ainda insistem em conseguir vantagens, seja para a empresa ou para ele próprio. Na verdade este profissional está em extinção, pois as empresas não admitem mais este tipo de comportamento e os clientes percebem rapidamente qual é a intenção deste “profissional”;

2. Seja transparente – Quanto mais transparente você demonstra ser, mais confiança você ganha do cliente, pois na verdade o que ambos estão buscando é uma boa negociação. Mostre ao cliente que você tem as suas limitações e provavelmente “juntos” vocês encontrarão uma solução que seja boa para as duas partes;

3. Seja simpático – Não seja arrogante por mais importante que sua empresa seja no mercado, todos gostam de ser bem tratados, afinal de contas na hora da negociação estamos atuando como profissional, porém existe um ser humano por trás deste papel;

4. Entenda nas entrelinhas o que o cliente realmente está querendo – Escute o seu cliente, talvez você esteja enfatizando preço e o seu cliente esteja querendo serviço, ou qualquer outra coisa do gênero. Deixe ele falar e tente capturar o que realmente é importante para o seu cliente;

5. Equilibre emoção com a razão – Muitos autores dizem que você tem que ser duro, assertivo, “gelado”, não deixar o seu “adversário” imaginar o que você está pensando, quase um jogo de pocker. Acredito que em uma negociação tem que existir um pouco dos dois, isto ajuda a dar mais flexibilidade para ambas as partes e chegar no objetivo comum – fechar a negociação;

6. Não venda, deixe o cliente comprar – Sabemos que comprar é muito bom, existe um fator psicológico muito importante embutido nesta ação, então o melhor a fazer é mostrar todos os benefícios do seu produto/serviço e deixar que o cliente os compre.

Acredito que esta forma de negociação é uma tendência entre as empresas que pensam de forma estratégica, pois não querem apenas vender, querem criar clientes e  fidelizá-los na forma mais digna da palavra.

texto de Alexandre Silva visto aqui.

Trabalhar por conta própria é o sonho de muita gente, principalmente daqueles que tem a alma de empreendedor. Trabalho Freelance é aquele cujo não há vínculo empregatício. Hoje em dia é muito comum ouvir o termo “freela“.

Principais vantagens

Cronograma próprio: você define seus horários e prazos.

Melhor remuneração: quem já é conhecido no mercado tem um retorno financeiro melhor do que trabalhar por um salário fixo dentro de uma empresa ou agência.

Maior visibilidade: assinar um trabalho de uma grande empresa com seu próprio nome terá uma grande força para destacá-lo no mercado.

Desvantagens

Trabalho individual: não existe trabalho colaborativo, ou seja, outras pessoas para ajudar no desenvolvimento e trazer informações pertinentes aos assuntos de interesse do projeto.

Instabilidade: a quantidade de jobs variam de mês a mês. Como não há uma renda fixa é importante ficar atento a contabilidade.

Características para o sucesso

Responsabilidade: ao trabalhar sem nenhuma cobrança externa (de outra pessoa) as chances de perder a concentração são grandes. Uma televisão, sofá, cama, violão, video game, dentre outros possíveis objetos que podem chamar a atenção e tirar o foco do trabalho. É preciso saber priorizar o que está fazendo.

Organização: ser um freelancer não se trata apenas de não ter chefe, mas de ser o próprio chefe. Dentre as principais cobranças a serem feitas é preciso estar ciente do cumprimento de metas e prazos.

Entusiasmo: bem como outras funções, se o freelancer não estiver preparado para encarar um trabalho oferecendo qualidade e agilidade na execução, provavelmente perderá alguns clientes.

Dicas

Não vá com muita sede ao pote. Alguns freelancers em início de carreira costumam assumir mais compromissos do que podem, o que causa inúmeros trabalhos atrasados e clientes insatisfeitos. Uma agência pode trazer além de uma experiência impagável, a noção de tempo a ser executado um trabalho e um portfolio extenso.

Faça um bom networking e sempre mantenha-se conectado com pessoas da mesma área. Dessa forma você será solicitado diversas vezes. Monte um portfolio de qualidade, quantidade não é tudo, se possível faça um filtro dos melhores cases que já fez.

daqui

Comunidade

Isso já foi dito milhões de vezes, mas o que é menos óbvio é que a mídia social permite que comunidades pequenas, com interesses muito específicos se espalhem por todo o mundo. A evolução dos meios de comunicação social também permite que as pessoas compartilhem experiências cada vez mais específicas de seu interesse. Isto propicia uma maior unidade conversa e mais importante, a inovação nessas áreas.

Transparência

O segredo e a desinformação desenfreada que marcaram o passado de muitas administrações públicas foi diminuído, em grande parte pela Internet. Enquanto os escândalos deflagrados pelo jornalismo investigativo ganharam espaço na televisão, foi na internet que sua visibilidade foi amplificada. Sites especializados em deflagrar mazelas políticas ganham cada vez mais visibilidade e servem de base para muitas pessoas decidirem o rumo de suas escolhas nas urnas.

Prestação de contas

Pequenas e grandes empresas estão empregando pessoas para ficar online quando as coisas tomam um rumo ruim. Antes da web social, quando acontecia alguma coisa ruim para a imagem das empresas elas sumiam até que a questão fosse esquecida. Hoje, insatisfação pode tomar fôlego rapidamente e de uma forma tal que pode acabar com o negócio. Atualmente, o único meio de parar esta tendência é enviar alguém para a linha de frente e enfrentar a multidão. Relações públicas em sua essência.

Personalização

Existem várias empresas que podem produzir seus desenhos em vários produtos desde simples de camisetas a calendários e canecas de café. Isso representa basicamente pequenas encomendas de coisas que são simples de fazer e são facilmente replicadas, mas é o próximo passo para artesãos que produzem pouco desenvolver bens de alta qualidade para praticamente todo tipo de aplicações. O site NOTCOT é um bom exemplo disso.

A famosa propaganda boca a boca

Antigamente o conhecimento era transmitido de orelha a orelha. Estamos agora em uma espécie de saída da idade da mídia de massa e nos tornando, como nos dias antigos, pessoas que contam histórias uns aos outros em grupos menores. A qualidade das mensagens tem melhorado porque tem uma finalidade específica e é destinada à educação, não (sempre) à persuasão.

Pequenas empresas

Pode a era do Walmart estar acabando? Este é um momento muito importante para as pequenas empresas. Enquanto o período entre 1995 e 2000 era de pequenas empresas querendo vender online, a era atual é a que lhes permite transmitir sua mensagem para um público mais amplo, focar em um público mais específico e diferenciar-se com maior eficácia. Além disso, podem criar e manter um relacionamento com o cliente baseado na confiança. Isto torna o processo de venda contínua bem mais simples e leva a um negócio centrado nos clientes, o que diminui muito a dependência do “acho que vai dar certo” durante o desenvolvimento de um produto.

via 30″

Dando uma olhada na Revista Vida Simples deste mês, li este texto do Ronaldo Bressane.
Adorei! Então resolvi compartilhar aqui com vocês.
Boa leitura!

consciente_coletivoSocializou geral: a criação individual (e, eventualmente, o egoísmo) passou a ser questionada por uma série de artistas, produtores de conteúdo e até comerciantes. São os tempos, como dizem alguns, da “cultura wiki” (de Wikipédia, a enciclopédia online construída por milhões de autores anônimos). Mas será mesmo possível que o conhecimento seja criado coletivamente? Melhor dizendo: quais são as fronteiras entre individualidade e coletivo na solução de um problema? Dentro da nova consciência de socialização do pensamento trazida pelo colaboracionismo na web, é possível sobreviver sendo um individualista extremo? No telecatch entre competição e colaboração, quando é que acontece a passagem de bastão entre a mentalidade das Décadas do Eu (70, 80, 90) para a nova mentalidade colaborativa dos anos 00? E afinal: existe mesmo uma criatividade coletiva? Se sim, ela pressupõe o fim da autoria?

Muitas perguntas. Mas façamos uma diferença clara, binária, entre a inteligência individualista, da obra fechada, do ponto fixo, e a colaborativa, da obra aberta, da rede. Sobre esta segunda é fundamental a Obra Aberta de Umberto Eco, revolucionário estudo da teoria da informação lançado, não por acaso, no ano de 1968. Ali o ensaísta italiano propõe uma divisão entre o discurso aberto (pense na internet, de múltiplos emissores e receptores) e no discurso persuasivo (pense na TV, um só emissor, vários receptores).

Quando sugeria a “obra aberta”, Eco apenas intuía a formulação de um modelo de produção somente viável graças à nossa aceleração tecnológica. O impacto da internet tornou possível tanto ideias como o open source (do software aberto, como o Linux) quanto a disseminação de redes sociais que sustentam a ideia de uma imaginação colaborativa: nas artes plásticas, na música, na mídia, no comércio. (Ainda falta a política, mas chegaremos lá.)

Essa verdadeira inteligência colaborativa foi definida nos termos de hoje pela cientista norte-americana Vera John-Steiner, em Creative Collaboration (“Colaboração criativa”, sem edição brasileira). A autora investiga como as ideias surgem através da observação do método de trabalho de parcerias famosas, como entre os artistas Georges Braque & Pablo Picasso, ou os físicos Albert Einstein & Niels Bohr. Por certo o estudo de Vera seria ainda mais interessante se ela se detivesse no curioso caso dos escritores argentinos Jorge Luis Borges & Adolfo Bioy-Casares, que narravam “sob uma terceira persona”, um tal Bustos Domecq. Ou, em exemplo mais próximo, na intrigante maneira como os jovens escritores brasileiros Vanessa Barbara & Emilio Fraia construíram uma identidade literária comum inventando a quatro mãos o elogiado romance Verão de Chibo.

A web abriga diversas iniciativas graças a uma nova “inteligência coletiva”.

Pesquisando inteligência colaborativa na web (onde mais eu arranjaria tanto assunto?), topei com o blog de Gilberto Jr., um esperto designer de interfaces que se dedica a estudar tanto a ciência das redes quanto orientar um grupo de leitura coletiva da… Bíblia. Atendo-se aos aspectos terrenos da web 2.0, Gilberto indica a leitura de um excelente artigo de Kathy Sierra sobre a sabedoria das multidões. Segundo essa crítica professora de programação e criadora de games norteamericana, aproveitar a inteligência coletiva pode trazer muitos benefícios – desde que não seja necessário um consenso prévio entre a comunidade em questão. Assim, agregase de algum modo a sabedoria de cada indivíduo independente (e a interdependência é a senha aqui). Kathy exemplifica:

• inteligência coletiva é um monte de gente escrevendo resenhas de livros na Amazon. Burrice das multidões é um monte de gente tentando escrever um romance juntos;

• inteligência coletiva são todas as fotos no Flickr, tiradas por indivíduos independentes, e as novas ideias criadas por esse grupo de fotos. Burrice das multidões é esperar que um grupo de pessoas crie e edite uma foto juntas;

• inteligência coletiva é pegar ideias de diferentes perspectivas e pessoas. Burrice das multidões é tirar cegamente uma média das ideias de diferentes pessoas e esperar um grande avanço.

Segundo Kathy, um link não fica em primeiro lugar no Google depois que todos os usuários da internet chegam a um consenso de que aquele link é o melhor. Mas o Google aproveita a inteligência coletiva contando mais pontos para os links que são citados por muitos indivíduos independentes. Por buscar consenso entre os editores dos artigos, a enciclopédia colaborativa Wikipédia poderia ser um fracasso, mas o trabalho dos administradores (tomando decisões nem sempre geradas pelo consenso) determina a qualidade do conteúdo. Isso significa que, mesmo socializada, a inteligência colaborativa não dispensa um eixo organizativo; em outras palavras, é preciso um editor.

leia texto completo aqui.

Você ouviu falar que vai ter um workshop de CALIGRAFIA PARA DESIGNERS aqui no Pto de  Contato mas não entendeu muito bem o que é?

Então aqui vão algumas referências desta arte – a caligrafia – , que há muito tempo deixou de ser apenas coisa de convite de casamento e  invadiu o design de diversas formas.

Confira:

andreabranco

Andréa Branco

caligrafia1

Calligraffiti


Niels Shoe Meulman em ação

claudiogil

Claudio Gil

workshopAndreaBranco4

Ueba! Finalmente conseguimos trazer a Andréa Branco para ministrar um workshop de “caligrafia para designers” aqui no Pto de Contato.

Eu, se fosse você, faria sua inscrição agora mesmo! Vai bombar!

Saiba como garantir sua vaga escrevendo para pto@ptodecontato.com.br